Dica para ver no Netflix: The Hunting Ground

terça-feira, março 01, 2016

Oi, gente, tudo bem? Sei que estamos sumidas, é que estávamos de férias em Punta Cana e, é claro, preparando um monte de posts com dicas de viagens para vocês! Enquanto esses posts não saem, hoje vou contar um pouco sobre o documentário que assisti esses dias no Netflix, o The Hunting Ground.
The Hunting Ground, para quem não sabe, foi indicado ao Oscar. Lady Gaga, inclusive, cantou a música Til It Happens to You na premiação. A música faz parte da trilha sonora do documentário.

O documentário fala sobre como as faculdades americanas tentam omitir - e até mesmo reprimir - os casos de agressão sexual que os alunos sofrem dentro do campus. É chocante saber que universidades renomadas - como Havard - fingem que nada acontece, principalmente se o agressor é um atleta. Para mim, que sempre admirei essas faculdades americanas, o documentário foi um despertar.


Durante 1h30 de duração do documentário ficamos apreensivos, indignados, tristes, e por aí vai. Meninas - e até mesmo meninos, acreditem! - relatam a forma como sofreram abuso e/ou estupro. É impossível não se comover ao assistir a The Hunting Ground. Houve um caso de uma adolescente que foi drogada num bar por meio de um shot e quando deu por si estava dentro do quarto de um dos jogadores mais famosos da universidade. Ela gritou para ele parar, ele a arrastou até o banheiro e a violentou ali mesmo. Por conta de sua fama como jogador, a universidade nunca tomou providências, mesmo tendo provas concretas de que ele era o agressor.

Muito se fala também sobre as fraternidades dentro da faculdade, e como elas são financiadas por ex-alunos milionários, que fazem doações "generosas" todos os anos. Por conta disso, os reitores tentam esconder e abafar os casos de agressão sexual, para que continuem recebendo essas doações. Dentre as coisas mais chocantes, há um "grito de guerra" que uma dessas fraternidades prega por aí: não significa sim e sim significa anal. 

Apenas devastador ter que ouvir isso em pleno 2016, quando tanto se fala em criar um mundo que não somente ensine mulheres a não serem estupradas, mas homens a não estuprar. O pior disso é o modo como as vítimas são tratadas pela faculdade: O quanto você bebeu? O que estava vestindo?, são as perguntas que fazem, tentando culpar a vítima.

O que me deixa mais triste é o que elas falam: O modo como foram tratadas pela faculdade foi pior do que a agressão sexual. Além de terem a coragem de denunciar, essas vítimas precisam de toda a força para lidar contra um sistema arcaico, machista e corrupto.

The Hunting Ground também mostra, através de pesquisas, os números de denúncias e quantos agressores foram responsabilizados por suas ações. É devastador saber que numa universidade com quase 300 denúncias nem UM aluno foi responsabilizado. O que significa que eles continuam soltos por aí, atacando mais e mais jovens a cada dia.

Outro estudo que eles mostram é que uma entre cada cinco estudantes sofrerá algum tipo de agressão sexual. E o que a faculdade faz sobre isso? Esconde. Outro fato muito ultrajante é um vídeo que a própria universidade montou, que dá suporte para quem foi acusado "falsamente" de estupro. Tipo, oi? E o vídeo que ajuda as pessoas que foram violentadas?

Infelizmente é essa a realidade. Mas podemos mudar isso, mesmo morando em outro país. Não podemos continuar aceitando esse pensamento de que não significa sim. Não podemos mais nos calar e aceitar esse tipo de comportamento animal e monstruoso. O primeiro passo? Assistir a The Hunting Ground, disponível no Netflix. Os próximos passos? Não tenho certeza, mas aí vai: Não se calar jamais e tentar se manter informada ajudam muito.

Alguém aí viu The Hunting Ground?

Nos encontre nas redes sociais:

         Facebook Twitter - Instagram 

Leia também

3 comentários

  1. Muito complicada essa situação! A violência sexual está tão viva dentro da sociedade que muitas instituições optam por esconder ao invés de tentar combater!
    E esse documentário mostra que até nas universidades (locais que teoricamente são o ápice da educação e do conhecimento) são um dos locais com maior incidência desse tipo de violência...

    É realmente de ficar indignado, e esse documentário ajuda muito a difundir essas informações que você falou!
    E a resenha está incrível, como de costume hahaha

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Muito complicada essa situação! A violência sexual está tão viva dentro da sociedade que muitas instituições optam por esconder ao invés de tentar combater!
    E esse documentário mostra que até nas universidades (locais que teoricamente são o ápice da educação e do conhecimento) são um dos locais com maior incidência desse tipo de violência...

    É realmente de ficar indignado, e esse documentário ajuda muito a difundir essas informações que você falou!
    E a resenha está incrível, como de costume hahaha

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Tinha visto toda a repercussão da música da Gaga, aquela apresentação arrepiante no oscar mas não sabia que tinha um documentário sobre isso. Tema horrível porém real que precisa ser extinto, com certeza vou ver no netflix,
    Beijoos,
    Sétima Onda Literária

    ResponderExcluir