I tell my story in reverse cause it hurts

by - sábado, novembro 10, 2018



Se eu contar a nossa história de trás pra frente, ela começa assim:
um adeus em Paris em pleno outono, o mundo tinha acabado de desabar, assim como eu e você.
o vinho de 40 euros a garrafa porque era domingo e tudo estava fechado.
o hotel do lado do aeroporto, porque o meu voo tinha sido anulado, mais uma travessura do destino, nos separando só para nos unir mais uma vez.
a briga do que parecia ser a última noite.
eu chorando no metro de Paris, a cidade da luz e eu chorando.
o patinete elétrico, nós dois nele, a torre brilhando atrás de nós.
a ponte Alexandre III, onde tudo começou, ter voltado ali era definitivamente selar a história com vinho e pôr do sol.
o olá após dois meses, quando pensávamos que não iríamos nos ver nunca mais - com você o nunca mais é só uma questão de tempo.
a ampulheta e os grãos de areia que levam as memórias embora, mas não a dor.
o adeus em Toulouse, seu carro pesando tanto e tanto, e não, não era por causa das malas e todos seus pertences estarem lá dentro; acho que era o meu coração transbordando de dor, memórias, beijos, rolhas de vinho, noites insones, metrôs às 2h da manhã, as luzes neon por todos os lugares. 
a nossa última noite no barco, você olhava pra mim e desviava o olhar lá pra fora, eu rindo e te chamando, o que você tanto olha? você respondendo: o sol está nascendo, era verdade. 
a gente pulando do barco em movimento, meu medo de altura e de nadar em alto mar, 60 metros de profundidade abaixo de nós, você pegou a minha mão e disse pula. eu pulei.
eu e você mergulhando, meu medo de tubarões e peixes esquisitos, mas nunca vou me esquecer do que vi embaixo d’água, era um mundo novo e graças a você eu estava lá para viver isso.
a primeira noite no barco, nós navegando na noite, nunca senti tanto medo e coragem ao mesmo tempo, o céu folhado de estrelas, de longe uma das noites mais incríveis da minha vida, era noite no sentido mais profundo da palavra, era escuridão, frio, vento, mar e água salgada, nós éramos a tempestade no fim do mundo.
itália, minha viagem inteira sendo cancelada, mais uma vez a vida me mostrando que, quando é pra ser, você pode estar do outro lado do mundo, mas a coisa será.
toulouse de novo, outro adeus, quantos mesmos, já perdi a conta. Um novo pôr do sol no Daurade, a briga no meio da noite, eu chorando na calçada e você dizendo: como você pode não perceber? 
bretanha, outro aeroporto, outro adeus. 
colecionei mais pôr do sol com você do que com qualquer outra pessoa.
seu pai aparecendo do nada, eu o conhecendo pela primeira vez. 
o piquenique no penhasco.
a festa da neve, a espuma caindo e eu encantada com a nevasca no meio do verão, porque a vida não é nada sem encanto.
a polaroid na cabine de fotos, seu sorriso e sua risada - ninguém tinha a menor chance contra ele, e espero que você saiba disso.
você me ensinando a surfar, eu com medo de cair mas com ainda mais medo de ser queimada por uma água viva.
você dormindo na praia e eu te olhando, sempre te olhando.
o olá após dois meses, quando pensávamos que não iríamos nos ver nunca mais - com você o nunca mais é só uma questão de tempo. 
a única noite em que você que não conseguia dormir. 
o asfalto molhado, a gente bebado voltando a pé pra casa porque o metro já tinha fechado.
I hate leaving you. 
vamos tirar uma foto. 
a flor que só desabrocha no dia primeiro de maio. 
você esvaziando seu apartamento, colocando tudo em caixas, inclusive eu, nós.
você soltando a fumaça do cigarro e me encarando do outro lado da mesa.
eu indo embora do seu apartamento porque estava louca demais.
a gente andando de bicicleta às quatro e meia da manhã.
você me beijando no meio da rua, quase somos atropelados e você ri e ri.
dezembro, seu aniversário, a gente se cruzando aleatoriamente no banheiro, parabéns pra você, a festa a qual não fui convidada, acho que realmente está tudo acabado.
seu irmão em toulouse, o texto que eu já te escrevi.
i owe you nothing.
you owe me nothing.
você um fantasma, eu a cleópatra na noite de halloween. 
a colisão.
o que você quer? Você.
o macacão que eu nunca consigo fechar 
a ponte, o sapo.
o estacionamento, o sol se pondo, o lugar secreto.
você falando português, porra.
a nossa primeira cerveja juntos. 
uma garota saindo apressada do parque de diversões para se encontrar pela primeira vez com um francês.
um coração decepcionado. 
o match.
o garoto inglês. 

a colisão. 

You May Also Like

0 comentários